EM DESTAQUE
POSTs RECENTES

segunda-feira, 14 de abril de 2014


http://4.bp.blogspot.com/-eo8ZnEtnwu8/Uq0Hgi54jrI/AAAAAAAATQU/54Jdjshn5kM/s400/copa+2014+d.jpg

A Copa do Mundo como tema pedagógico deve ser encarada para além da competição... Não deve-se perder os objetivos estabelecidos nos planejamentos, mobilizando reflexões, encaminhamentos e intervenções necessárias.

Abaixo 10 dicas de como desenvolver um trabalho pedagógico com o tema COPA DO MUNDO:

1. Criar jogos cooperativos entre os grupos da escola: tão necessários para refletir sobre solidariedade, num jogo em que todos ganham com a cooperação mútua.

2. Criar novas regras para o esporte a ser desenvolvido na escola, com mais ou menos alunos e adaptados para atender todos os alunos, considerando as questões da educação inclusiva.

3. Promover o futebol como cultura de Paz, desenvolvendo condições de combater a violência e valorizar sentimentos de harmonia e respeito.

4. Refletir sobre a violência nos estádios de futebol, violência doméstica e violência escolar, defendendo a liberdade de expressão e explorando as formas dialógicas de interação.

5. Pesquisar informações sobre a Copa do Mundo: questões históricas, midiáticas e raciais, desenvolvendo o espírito investigativo.

6. Trabalhar sentimentos e emoções: paixão, empolgação, expectativa, frustração.

7. Trabalhar valores como o multiculturalismo, a convivência e a paz, ressignificando conceitos.

8. Analisar a realidade local antes e depois desse evento e as mudanças na vida dos alunos.

9. Ampliar as brincadeiras com bolas de diversos tamanhos, com ou sem regras, onde sentimentos, criatividade e o lúdico sejam respeitados, de modo ainda a privilegiar as manifestações corporais.

10. E por último, discutir sobre a importância da Copa ser realizada no nosso país, as vantagens e desvantagens que o acontecimento poderá trazer para todos os brasileiros.

Fonte

Como usar a Copa do Mundo como tema em aulas de Educação Fisica


http://4.bp.blogspot.com/-eo8ZnEtnwu8/Uq0Hgi54jrI/AAAAAAAATQU/54Jdjshn5kM/s400/copa+2014+d.jpg

A Copa do Mundo como tema pedagógico deve ser encarada para além da competição... Não deve-se perder os objetivos estabelecidos nos planejamentos, mobilizando reflexões, encaminhamentos e intervenções necessárias.

Abaixo 10 dicas de como desenvolver um trabalho pedagógico com o tema COPA DO MUNDO:

1. Criar jogos cooperativos entre os grupos da escola: tão necessários para refletir sobre solidariedade, num jogo em que todos ganham com a cooperação mútua.

2. Criar novas regras para o esporte a ser desenvolvido na escola, com mais ou menos alunos e adaptados para atender todos os alunos, considerando as questões da educação inclusiva.

3. Promover o futebol como cultura de Paz, desenvolvendo condições de combater a violência e valorizar sentimentos de harmonia e respeito.

4. Refletir sobre a violência nos estádios de futebol, violência doméstica e violência escolar, defendendo a liberdade de expressão e explorando as formas dialógicas de interação.

5. Pesquisar informações sobre a Copa do Mundo: questões históricas, midiáticas e raciais, desenvolvendo o espírito investigativo.

6. Trabalhar sentimentos e emoções: paixão, empolgação, expectativa, frustração.

7. Trabalhar valores como o multiculturalismo, a convivência e a paz, ressignificando conceitos.

8. Analisar a realidade local antes e depois desse evento e as mudanças na vida dos alunos.

9. Ampliar as brincadeiras com bolas de diversos tamanhos, com ou sem regras, onde sentimentos, criatividade e o lúdico sejam respeitados, de modo ainda a privilegiar as manifestações corporais.

10. E por último, discutir sobre a importância da Copa ser realizada no nosso país, as vantagens e desvantagens que o acontecimento poderá trazer para todos os brasileiros.

Fonte

Postado às 12:10 |  por Educação Físicaa

terça-feira, 8 de abril de 2014

http://www.bahiapress.com.br/wp-content/uploads/2013/06/les%C3%A3o-nos-ombros.jpeg

Acho que, se há dois fatores que realmente são os mais prejudiciais para os ombros, esses podem ser o treinamento incorreto, assim como para quaisquer outros músculos, mas, especificamente aos ombros, o overtraining e, não falo nem de overreaching.

A verdade é que os ombros estão sinérgicos a basicamente tudo, inclusive ao treinamento de pernas, pasme! Eles estão presentes desde as simples roscas para bíceps, as extensões para tríceps, o treinamento de peitoral (óbvio), de dorsais (em especial a região dos romboides e do trapézio), no treinamento de pernas (lembram-se das dicas básicas para um bom agachamento com adução escapular?) e, óbvio, no próprio dia de treino de ombros/deltoides.

Pois bem, agora, imagine que, se eles estão sinérgicos à tudo, são treinados direta ou indiretamente quase que em todas as sessões, proporcionando assim um desgaste e uma solicitação bastante grande desse complexo grupamento. Diferente, por exemplo dos antebraços, normalmente mais propensos a fibras slow Twich, ou vermelhas que tem uma recuperação relativamente mais rápida, os ombros possuem uma recuperação mais lenta, além de, termos de contar que não somente a musculatura necessitará recuperar-se, mas outras estruturas, como as tendinosas, as articulares etc.

Para se realizar uma boa rotina sem correr riscos de sobrecarregar os ombros, em primeiro lugar é importante uma boa divisão de treino. Por exemplo, não é conveniente que se treine ombros logo no dia seguinte ao treino de peitorais (visto ser o grupamento que mais solicita os ombros como auxiliares) e nem o treinamento de peitorais logo após o dia de ombros. Ao mesmo tempo, deve-se ter bastante cuidado, caso você proponha algumas divisões de ombros que os treine mais do que uma vez na semana, INCLUSIVE TREINAMENTOS QUE ENVOLVEM UM DIA PARA POSTERIOR E UM DIA PARA ANTERIOR. Neste segundo caso, por exemplo, pouquíssimos ou, para alguns mais extremáticos apenas um exercício deve (m) ser realizado (s) para cada parte.

O mais conveniente mesmo que se faça é reservar um dia na semana para o treino de ombros e descansar, pelo menos 7 dias, ou seja, uma semana. Também, deve-se priorizar o trabalho na porção lateral dos deltoides e não principalmente nas frontais como muitos costumam fazer. Lembre-se que os supinos já fazem um bom trabalho nesse ponto.

Por fim, vale sempre lembrar que, um período totalmente sem treino, isto é, algo como uma semaninha, pode ser de suma importância para uma boa recuperação. Muitos atletas do passado e atuais, mesmo com seus altos usos de ergogênicos e todo o suporte que tem, assim o fazem.

Overtraining é um dos principais motivos de lesões nos ombros

http://www.bahiapress.com.br/wp-content/uploads/2013/06/les%C3%A3o-nos-ombros.jpeg

Acho que, se há dois fatores que realmente são os mais prejudiciais para os ombros, esses podem ser o treinamento incorreto, assim como para quaisquer outros músculos, mas, especificamente aos ombros, o overtraining e, não falo nem de overreaching.

A verdade é que os ombros estão sinérgicos a basicamente tudo, inclusive ao treinamento de pernas, pasme! Eles estão presentes desde as simples roscas para bíceps, as extensões para tríceps, o treinamento de peitoral (óbvio), de dorsais (em especial a região dos romboides e do trapézio), no treinamento de pernas (lembram-se das dicas básicas para um bom agachamento com adução escapular?) e, óbvio, no próprio dia de treino de ombros/deltoides.

Pois bem, agora, imagine que, se eles estão sinérgicos à tudo, são treinados direta ou indiretamente quase que em todas as sessões, proporcionando assim um desgaste e uma solicitação bastante grande desse complexo grupamento. Diferente, por exemplo dos antebraços, normalmente mais propensos a fibras slow Twich, ou vermelhas que tem uma recuperação relativamente mais rápida, os ombros possuem uma recuperação mais lenta, além de, termos de contar que não somente a musculatura necessitará recuperar-se, mas outras estruturas, como as tendinosas, as articulares etc.

Para se realizar uma boa rotina sem correr riscos de sobrecarregar os ombros, em primeiro lugar é importante uma boa divisão de treino. Por exemplo, não é conveniente que se treine ombros logo no dia seguinte ao treino de peitorais (visto ser o grupamento que mais solicita os ombros como auxiliares) e nem o treinamento de peitorais logo após o dia de ombros. Ao mesmo tempo, deve-se ter bastante cuidado, caso você proponha algumas divisões de ombros que os treine mais do que uma vez na semana, INCLUSIVE TREINAMENTOS QUE ENVOLVEM UM DIA PARA POSTERIOR E UM DIA PARA ANTERIOR. Neste segundo caso, por exemplo, pouquíssimos ou, para alguns mais extremáticos apenas um exercício deve (m) ser realizado (s) para cada parte.

O mais conveniente mesmo que se faça é reservar um dia na semana para o treino de ombros e descansar, pelo menos 7 dias, ou seja, uma semana. Também, deve-se priorizar o trabalho na porção lateral dos deltoides e não principalmente nas frontais como muitos costumam fazer. Lembre-se que os supinos já fazem um bom trabalho nesse ponto.

Por fim, vale sempre lembrar que, um período totalmente sem treino, isto é, algo como uma semaninha, pode ser de suma importância para uma boa recuperação. Muitos atletas do passado e atuais, mesmo com seus altos usos de ergogênicos e todo o suporte que tem, assim o fazem.

Postado às 15:43 |  por Educação Físicaa

segunda-feira, 7 de abril de 2014


Crédito: Thinkstock

Cada vez mais conectadas à tecnologia, a maioria das pessoas tem intensa rotina de trabalho. A sobrecarga nas atividades do cotidiano pode levar ao surgimento das doenças ocupacionais, como Lesões por Esforços Repetitivos (LER) e tendinite (inflamação de tendão). 

Para evitar esse tipo de lesão a dica é fazer pausas no ambiente de trabalho e investir em atividades como a ginástica laboral. São indicados exercícios de alongamento e automassagem que podem ser realizados no início, meio ou final do expediente, ou ainda em casa.

veja as dicas para evitar lesões ocupacionais e ensina exercícios fáceis para fazer durante o expediente: 

Para quem trabalha sentado 

  • O ideal é que a planta de seus pés esteja toda apoiada no chão, com os joelhos flexionados a 90º. 
  • Utilize cadeiras giratórias e evite realizar movimentos rotacionais bruscos com o pescoço e tronco. 
  • Procure levantar a cada 30 minutos para uma rápida caminhada. Lembre-se também de alongar braços, tronco e pernas pelo menos três vezes durante seu expediente.
  • Aproxime sua cadeira da mesa, evitando flexionar seu tronco ou a cabeça para digitar e mantenha as costas bem apoiadas no encosto da cadeira.
  • Para quem trabalha com computador, o ideal é manter o monitor a uma distância entre 45 a 75 cm dos olhos, regulando sua altura à linha de visão.

Para quem trabalha em pé

  • O ideal é usar calçados confortáveis, macios e sem saltos. 
  • Procure alternar a posição de apoio sobre uma perna e outra, e sempre que possível, dê pequenas caminhadas e realize movimentos circulares com os pés para estimular a circulação sanguínea e minimizar as dores e inchaço
  • Procure ficar em postura ereta, evite ficar inclinado para frente ou para os lados por muito tempo. Para quem utiliza mesas ou bancadas para manusear peças e/ou objetos, o ideal é que estas estejam a uma altura próxima a do umbigo e próximas ao corpo. Procure manter os cotovelos flexionados a aproximadamente 90º e os ombros relaxados, isto ajuda a evitar tensões musculares na região cervical, nos ombros e costas.

Como alongar 

  • Em pé ou sentado, com a postura ereta e mãos na cintura, aproxime a orelha do ombro, incline a cabeça para a direita e para a esquerda, permanecendo em cada posição por 15 segundos.
  • Com a postura ereta, suba os ombros, aproximando-os das orelhas e em seguida relaxe. Repita essa movimentação por 10 vezes.
  • Em pé ou sentado, abra e feche a mão alternadamente, repetindo por 10 vezes.
  • Sentado mais à frente na cadeira, mantenha uma perna flexionada e apoiada no solo e a outra esticada a frente e com o calcanhar apoiado. Curve para frente tentando alcançar com a mão a ponta do pé no lado da perna esticada. Este alongamento também pode ser realizado em pé, permaneça em cada posição por 15 segundos.

 

Exercícios simples de alongamento evitam lesões


Crédito: Thinkstock

Cada vez mais conectadas à tecnologia, a maioria das pessoas tem intensa rotina de trabalho. A sobrecarga nas atividades do cotidiano pode levar ao surgimento das doenças ocupacionais, como Lesões por Esforços Repetitivos (LER) e tendinite (inflamação de tendão). 

Para evitar esse tipo de lesão a dica é fazer pausas no ambiente de trabalho e investir em atividades como a ginástica laboral. São indicados exercícios de alongamento e automassagem que podem ser realizados no início, meio ou final do expediente, ou ainda em casa.

veja as dicas para evitar lesões ocupacionais e ensina exercícios fáceis para fazer durante o expediente: 

Para quem trabalha sentado 

  • O ideal é que a planta de seus pés esteja toda apoiada no chão, com os joelhos flexionados a 90º. 
  • Utilize cadeiras giratórias e evite realizar movimentos rotacionais bruscos com o pescoço e tronco. 
  • Procure levantar a cada 30 minutos para uma rápida caminhada. Lembre-se também de alongar braços, tronco e pernas pelo menos três vezes durante seu expediente.
  • Aproxime sua cadeira da mesa, evitando flexionar seu tronco ou a cabeça para digitar e mantenha as costas bem apoiadas no encosto da cadeira.
  • Para quem trabalha com computador, o ideal é manter o monitor a uma distância entre 45 a 75 cm dos olhos, regulando sua altura à linha de visão.

Para quem trabalha em pé

  • O ideal é usar calçados confortáveis, macios e sem saltos. 
  • Procure alternar a posição de apoio sobre uma perna e outra, e sempre que possível, dê pequenas caminhadas e realize movimentos circulares com os pés para estimular a circulação sanguínea e minimizar as dores e inchaço
  • Procure ficar em postura ereta, evite ficar inclinado para frente ou para os lados por muito tempo. Para quem utiliza mesas ou bancadas para manusear peças e/ou objetos, o ideal é que estas estejam a uma altura próxima a do umbigo e próximas ao corpo. Procure manter os cotovelos flexionados a aproximadamente 90º e os ombros relaxados, isto ajuda a evitar tensões musculares na região cervical, nos ombros e costas.

Como alongar 

  • Em pé ou sentado, com a postura ereta e mãos na cintura, aproxime a orelha do ombro, incline a cabeça para a direita e para a esquerda, permanecendo em cada posição por 15 segundos.
  • Com a postura ereta, suba os ombros, aproximando-os das orelhas e em seguida relaxe. Repita essa movimentação por 10 vezes.
  • Em pé ou sentado, abra e feche a mão alternadamente, repetindo por 10 vezes.
  • Sentado mais à frente na cadeira, mantenha uma perna flexionada e apoiada no solo e a outra esticada a frente e com o calcanhar apoiado. Curve para frente tentando alcançar com a mão a ponta do pé no lado da perna esticada. Este alongamento também pode ser realizado em pé, permaneça em cada posição por 15 segundos.

 

Postado às 08:27 |  por Educação Físicaa

quinta-feira, 3 de abril de 2014


http://4.bp.blogspot.com/-SWct-M-PPQo/UjRbt1oy8RI/AAAAAAAABaQ/klm4mfUpMew/s640/existe_peso_ideal_para_quem_busca_hipertrofia_eou_definicao_muscular_.jpg

A musculação para mulheres é um assunto que divide opiniões. Enquanto uns prezam pela manutenção de um corpo mais enxutos, mas tonificados, outros apostam na hipertrofia máxima, inclusive para competições. São as mulheres que malham intensamente para ter músculos similares aos masculinos. Para isso, têm que malhar muito e ter uma série  de exercícios físicos específicos, de acordo com cada organismo e respeitando suas necessidades e fraquezas, além de uma dieta específica.

Para alcançar a hipertrofia muscular feminina máxima e rápida, é preciso treinar intensamente durante vários dias na semana, com a rotina de exercícios deve ser programada e acompanhada por um profissional.

A hipertrofia muscular feminina rápida pede muito treino com séries que não passem de 12 repetições, executadas até 3 vezes. Após a oitava repetição rápida do exercício, o músculo começa a crescer. Além disso, é preciso considerar a idade, o nível de aptidão física, o grau de exercício físico e a capacidade de carga de cada pessoa. O que difere o treinamento masculino da musculação feminina rápida, basicamente, são os métodos de treinamento, intervalos, séries e aparelhos trabalhados. Além disso, é importante lembrar que homens produzem o hormônio testosterona que desenvolve os músculos mais intensamente, enquanto a mulher tem até 2/3 da força máxima e aparência física do homem. Ou seja, os homens desenvolvem a hipertrofia mais rápidamente do que as mulheres.

Os tipos de exercícios físicos mais indicados para musculação feminina rápida são: rosca bíceps alternada, tríceps testa, elevação, remada aberta unilateral, supino, crucifixo, panturrilha no step, glúteo com caneleira, ponte, prancha, abdominal curto, abdominal médio, abdominal inferior, abdominal oblíquo, adutor com caneleira, agachamento reto, agachamento com peso,e abdominal lateral com peso.

A hipertrofia muscular feminina é obtida com sucesso e equilíbrio quando a mulher se dedica e foca como seu real objetivo o ganho de massa muscular.

Musculação e Hipertrofia Feminina


http://4.bp.blogspot.com/-SWct-M-PPQo/UjRbt1oy8RI/AAAAAAAABaQ/klm4mfUpMew/s640/existe_peso_ideal_para_quem_busca_hipertrofia_eou_definicao_muscular_.jpg

A musculação para mulheres é um assunto que divide opiniões. Enquanto uns prezam pela manutenção de um corpo mais enxutos, mas tonificados, outros apostam na hipertrofia máxima, inclusive para competições. São as mulheres que malham intensamente para ter músculos similares aos masculinos. Para isso, têm que malhar muito e ter uma série  de exercícios físicos específicos, de acordo com cada organismo e respeitando suas necessidades e fraquezas, além de uma dieta específica.

Para alcançar a hipertrofia muscular feminina máxima e rápida, é preciso treinar intensamente durante vários dias na semana, com a rotina de exercícios deve ser programada e acompanhada por um profissional.

A hipertrofia muscular feminina rápida pede muito treino com séries que não passem de 12 repetições, executadas até 3 vezes. Após a oitava repetição rápida do exercício, o músculo começa a crescer. Além disso, é preciso considerar a idade, o nível de aptidão física, o grau de exercício físico e a capacidade de carga de cada pessoa. O que difere o treinamento masculino da musculação feminina rápida, basicamente, são os métodos de treinamento, intervalos, séries e aparelhos trabalhados. Além disso, é importante lembrar que homens produzem o hormônio testosterona que desenvolve os músculos mais intensamente, enquanto a mulher tem até 2/3 da força máxima e aparência física do homem. Ou seja, os homens desenvolvem a hipertrofia mais rápidamente do que as mulheres.

Os tipos de exercícios físicos mais indicados para musculação feminina rápida são: rosca bíceps alternada, tríceps testa, elevação, remada aberta unilateral, supino, crucifixo, panturrilha no step, glúteo com caneleira, ponte, prancha, abdominal curto, abdominal médio, abdominal inferior, abdominal oblíquo, adutor com caneleira, agachamento reto, agachamento com peso,e abdominal lateral com peso.

A hipertrofia muscular feminina é obtida com sucesso e equilíbrio quando a mulher se dedica e foca como seu real objetivo o ganho de massa muscular.

Postado às 12:04 |  por Educação Físicaa

    Últimas

Receba no Email

Digite seu e-mail e receba as novidades no seu e-mail.


Você irá se cadastrar na nossa newsletter, não esqueça de confirmar o cadastro clicando no link que irá para o seu e-mail.

Seguidores

Blogger templates. Proudly Powered by Blogger.
back to top